Ser ou não ser perennial

Ser ou não ser perennial

Desde que começamos o blog lançando um conceito novo no Brasil, do qual tive a chance de ser uma das primeiras a conhecer e divulgar, muita gente me pediu uma definição de perennials.

E apesar de consumir todas as -não muitas- manifestações, pesquisas e estudos internacionais a respeito, repeti desde o início que não quero fazer caixote do desencaixotado, não quero teorizar ou fazer proselitismo.

Parti do básico, perennial não se define por idade ou geração mas pelo comportamento. Completei com o é livre, move-se por conceitos próprios. E me misturei, em busca do tornar a vida boa ainda melhor, fazê-la valer a pena

E busco mostrar isso tudo com relatos reais de cada pessoa, produto, conceito ou sentimento expresso nas matérias. Entendo que sejam, não especificamente exemplos a serem imitados, mas momentos de vida que nos levem a refletir para fazer dos nossos caminhos trilhas cada vez mais próprias. 

Inauguramos hoje o Perennialices, dicas e sacadas de estalo. Começamos com a contribuição do Eduardo Freschet, que incorpora esse jeito de ser com o orgulho da descoberta. Ainda mais do que todo o restante do blog, é um espaço aberto, livre e leve para as nossas considerações nesse jogo do ser ou não ser.

Alguns se assumem tranquilamente perennials, como o Fernando Manfio nesse novo vídeo em que nos conta sobre o seu objeto de estudo voltado ao fazer com que a vida tenha sentido para cada um de nós.

Outros, como a Patrizia Scarpa, com um viver tão seu -é mas não parece preocupada em se declarar. Aqui de volta com os seus musts que foram tão bem recebidos.

E há aqueles que dizem lamentar mas definitivamente não serem perennials, provando (ainda bem!) que nesse mundo tem lugar pra todo mundo.

O nosso blog se concebe como um reduto de cultivo pessoal, sempre aberto a todos: os que se sentem parte, os que são sem saber, os que não querem ser. Uma única exigência: batalhar por uma vida melhor, mais gostosa, que mereça ser vivida.

ângela cassiano           

3 comentários sobre “Ser ou não ser perennial

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Open chat
1
Olá, quero seguir o seu blog.