SEM LUCRO MAS COM MUITOS GANHOS

SEM LUCRO MAS COM MUITOS GANHOS

por Luciana Monteiro Portugal

Gentileza gera gentileza. Esta frase, que pode ser encontrada em postes de luz ou mesmo capachos na entrada de casas e lojas, é de autoria de José Datrino, ou Profeta Gentileza, como ficou mais conhecido no Rio de Janeiro e outros lugares por onde passou (1917-1996). Apesar de ter nascido e morrido em São Paulo, se tornou notório mesmo a partir da década de 80 por suas frases e inscrições sob um viaduto fluminense, onde andava com uma túnica branca e sua longa barba.

Pessoalmente não conheci o Profeta Gentileza, mas estou tendo o privilégio da interação, por enquanto só virtual, com o Sr. Gentileza. Luiz Gabriel Tiago foi indicado ao Nobel da Paz em 2018 e 2019 e é autor, dentre outras obras, de Missão de Amorrr Desafios e dificuldades encontradas por missionários no Brasil.

Gentileza sempre foi uma palavra que me inspirou e uma atitude que me aproximou das pessoas. A falta dela provavelmente me afastou de muitas outras. Com a maturidade, fui aprendendo que gentileza não significa tão somente boas maneiras, aquelas que nossos pais e nossas mães desde sempre aconselhavam, as vezes até de forma imperativa, que tivéssemos: “Tenha bons modos, menina”. Vai muito além. Aliás, representa muito mais. Com o Sr. Gentileza aprendi que tem a ver com carisma, e esse sim pode ser nato ou adquirido.

Conheci o Sr. Gentileza na rede social Clubhouse, provavelmente na sala em que compartilhávamos propósitos. Claro que aquele título chamou a minha atenção, assim como o fato de eu ser membro da Comissão de Direitos Humanos da OAB/SP chamou a dele. Dali passei a segui-lo no Ig e me interessar pela forma como ele espalha a cultura de paz através da prática da gentileza. Aí também descobri que após uma vida de grandes desafios que começaram em uma infância humilde e das maiores conquistas alcançadas ao longo da sua trajetória, Luiz Gabriel fundou uma obra dedicada à gentileza, a Pontinho de Luz, que idealizada para oferecer treinamentos e workshops a fim de despertar em profissionais a vontade de serem gentis no trabalho, acabou se transformando numa Rede Mundial de Gentileza, baseada na crença de que só o Amorrr transforma.

E onde foi dar tudo isso? Bom, um desejo até então não revelado, ao menos não escancaradamente de participar de algumas missões no Brasil ou onde quer que me levem começou, finalmente, a se concretizar. Dei o primeiro passo para me preparar para isso. Atualmente até acredito que minha trajetória, sejam nos mais de 15 anos de voluntariado, seja pela formação em mediação de conflitos, através do Instituto dos Advogados de SP, tenha um propósito cada vez maior que ainda estou por descobrir.

Após ler o livro do Sr. Gentileza, participei do curso de introdução missionária da paz que almeja fazer o amorrr ser conhecido, respeitado, admirado e amado pela humanidade.

E através de um conjunto de comportamentos, atitudes e ações nada piegas, mas positivas e nobres, com qualidade, acredito que isto seja sim possível. Basta aumentarmos aquela distância tênue existente entre o altruísmo e o egoísmo, porque temos que cuidar, antes e acima de tudo, de nós mesmos.

Toda vez que ouço de um amigo o exemplo das máscaras de oxigênio que cairão sobre as nossas cabeças no caso de uma emergência durante o voo, com o alerta de vista primeiro a sua e depois socorra a pessoa que está ao seu lado, penso: é isso! E ele adora dar esse exemplo. Conheça as iniciativas voluntárias e profissionais do Sr. Gentileza no Brasil e no mundo através do Instagram @srgentileza @pontinhodeluzoficial e @gentilezageracao

Sempre me considerei uma pessoa gentil, pois talvez por puro instinto já percebesse o efeito que isso gera. Abrir uma porta de elevador, oferecer ajuda quando necessária são atitudes muito bacanas, mas com atenção, boa vontade e sorriso no rosto, chega a ser impagável. Ganhei amigos através de uma simples troca de gentilezas, então o contato com o Luiz Gabriel não foi meu primeiro ‘insight’. Há anos devorei o livro que decidi reler de Clóvis de Barros Filho “Shinsetsu O Poder da Gentileza”, que discorre sobre como tratar melhor o outro e a si mesmo. Esta obra foi comparada à versão brasileira de um clássico romance internacional que conta a história da filosofia, O Mundo de Sofia. A intenção do autor é mostrar ao leitor, de uma maneira que ele nem perceba, o que de fato é importante na vida. Um livro que interpreta a sabedoria e a cultura japonesas pensando na alma ocidental foi o que li na resenha, inserindo e aproximando a literatura, a poesia e a filosofia do nosso cotidiano. O Shinsetsu é mais do que o ato de ser gentil; é uma forma de pensar. Em tempos que muitos consideram estarmos na era da intolerância e do individualismo, a dica é boa!    

E se falei de livros, por que não mencionar a beleza das fotografias que capturaram os sorrisos de mulheres após ouvirem que são lindas? Foi o que fez o fotógrafo Rotasiz Seyyah, a fim de mostrar como um sutil ato de gentileza pode mudar o dia de alguém. Conheça o projeto chamado “Você é tão bonito” realizado durante uma viagem de 1001 dias ao redor do mundo. Algumas dessas fotos ilustram este artigo. E se for ao som da música Gentileza, na voz de Marisa Monte, melhor ainda. 

Ouvindo Luís Mauro de Sá Martino aprendi coisas muito valiosas sobre a gentileza e a que mais me marcou, justamente pelo contraponto, foi que gentileza não é exercício de hipocrisia. Afinal, não acordamos de bom humor todos os dias, mas também ninguém tem nada a ver com isso. E a segunda grande lição foi para não respeitarmos somente quem tememos. E eu ainda acrescentaria, tampouco só quem admiramos. Gentileza e respeito são conceitos e práticas que envolvem a nossa responsabilidade com o outro.

E como uma coisa sempre leva a outra, não foi diferente quando o mesmo jornalista e professor citou a obra do filósofo francês Dominique Picard, “Pourquoi la politesse?” ou Por que a polidez? e veio a simples e grande reposta de que é ela, a polidez ou a gentileza, o grande elemento que permite que as relações sociais aconteçam. É tão simples que concordo com Sá Martino, deveriam ser desnecessárias as leis que as regem. Regem nossa educação com o próximo. Ouça você também clicando aqui.

“Porque o bem edifica. Porque a paz alivia. Porque Gentileza contagia.” (Sr. Gentileza)      

Luciana Monteiro Portugal  (Ig@lumonteiroportugal FB e LinkedIn Luciana Monteiro Portugal Gomes) é advogada por formação e voluntária por opção. Quinzenalmente divide conosco sua experiência no terceiro setor e mostra que doação compreende mas vai além do dinheiro, pode-se doar tempo e habilidades
 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Open chat
1
Olá, quero seguir o seu blog.