SEM LUCRO MAS COM MUITOS GANHOS

SEM LUCRO MAS COM MUITOS GANHOS

por Luciana Monteiro Portugal

Certo dia lá aconteceu um grande incêndio na floresta e todas as áreas foram cercadas por um fogo denso e destruidor. Enquanto todos os animais corriam com medo do fogo, um beija-flor voava até a margem do rio e enchia seu bico com o máximo de água que podia, deixando as gotinhas caírem sobre as labaredas na tentativa de apagar o fogo. E assim repetia incessantemente. Os demais animais acharam aquela atitude estranha, inútil, e até mesmo boba. Foi então que o elefante vendo aquilo perguntou:
– Você está louco? Acredita que estas poucas gotas de água podem apagar um incêndio tão grande?
Ao que o passarinho respondeu:
– Eu estou fazendo o que eu dou conta… estou fazendo a minha parte… e se todo mundo ajudar com o que puder, com certeza conseguiremos alguma coisa.

Em julho de 2020, num artigo para o Perennials Forever, tratei da desigualdade social de nosso país e, falando das favelas, aproveitei a oportunidade para apontar algumas iniciativas que já objetivavam diminuir o impacto da covid-19 em áreas periféricas em todo o Brasil. Naquele artigo também mencionei alguns alertas destacados na mídia avisando que, se não seguíssemos os protocolos preventivos, o sistema de saúde iria colapsar. Pronto… colapsou! E junto com ele, a fome aumentou. Não como consequência do sistema de saúde, mas da pandemia e tudo que veio com ela, inclusive o desemprego.

Por essa razão, num clima inspira, respira, não pira, decidi agradecer à minha saúde e de todos os meus entes queridos e seguir em frente, pois não temos muito tempo para refletir. Tem gente carente demais e de várias coisas. Por isso é hora de agir. De novo!

Minha amiga Samara e eu chegamos a conversar sobre postar ou não a iniciativa que ela e a trupe mega saudável e esportista de amigos estão encabeçando em Paraisópolis – SP, arrecadando e levando alimentos, vestimenta e produtos de higiene para a população da favela. O post dela traz recordações muito importantes, afinal “solidariedade é o compromisso pelo qual as pessoas se obrigam umas às outras e cada uma delas a todas.” “A fome não tem RG, nem CPF, simplesmente existe”.

Ela postou e a resposta àquela dúvida inicial logo chegou, pois cada vez que a Samara divulga o que ela e a turma da ONG Symap andam aprontando, mais e mais gente se conecta ou a procura para participar e doar. Não é autopromoção, é provocação. É um convite explícito à participação. E aproveite e vá lá descobrir qual o enorme legado que o atleta que dá nome à ONG Sylvio de Magalhães Padilha deixou para nosso país, e como seus netos fundadores decidiram, desde 2002, incluir através do esporte.

Outra amiga que me inspirou na escrita deste artigo foi a Danda. Ela modera grupos de mães de adolescentes no whatsapp e começou a receber uma série de pedidos de permissão para que publicassem ali ações que apesar do impacto social relevante em suas diversas áreas de abrangência territorial, se encontram em meio à enormes desafios, uma vez que as doações diminuíram, mas a fome só aumentou.

Ela não perdeu tempo e publicou uma a uma em seu Instagram.

Então decidi que não poderia ficar de braços cruzados e resolvi trazer a você, leitor Perennial, de mente e coração abertos, algumas iniciativas. Afinal, se falo daquilo que não dá lucro, mas gera muitos ganhos, qual o meu papel senão dar vozes para quem precisa gritar, mas a máscara abafa o som?

Com o projeto Tocando Juntos por Heliópolis – Fase Emergencial, o Instituto Baccarelli está somando forças com uma campanha de financiamento coletivo que pretende distribuir cestas básicas a milhares de famílias moradoras da favela de Heliópolis-SP, onde muitos de seus habitantes já compõem a triste estatística dos 27 milhões de brasileiros levados à linha da pobreza. Este cenário pede por ações emergenciais de apoio às famílias que enfrentam, sobretudo, a dura realidade da fome. Mas isso pode começar a mudar.

O G10 Favelas é alimentado pela crença de que um Brasil melhor é possível mudando a forma como o país enfrenta a pobreza. Com a campanha #panelasvazias, eles alertam para o fato de que estão perdendo esse jogo. Acesse o link e faça a sua contribuição, porque a marmita acaba, mas a fome não! 

A Capadócia é uma ocupação na zona Leste de SP com 2.000 famílias em condições de extrema vulnerabilidade. Através de uma vakinha virtual, sobreviveram ao mês passado. O atual, nem começou a ser garantido. Mas como nem todo herói usa capa, ela conta com todos nós para reverter essa situação!

O ImpactAção, projeto social com objetivo de resgatar a dignidade humana por meio da transformação social sustentável esteve, no último 27 de março, na comunidade Primeiro de Maio, em Osasco, a fim de agraciar famílias com cestas básicas. Havia cerca de 200 delas, na maioria representadas por mães que lutam pelo sustento e sobrevivência de seus filhos. Mas eles tinham somente 87 cestas. Com o mesmo amor, elas foram entregues. Depois, com o choro preso na garganta e o coração apertado, o pessoal do ImpactAção se retirou. E então, vamos oferecer uma semana diferente para estas famílias? (Ig @impactacao.social contato@impactacaosocial.org.br ou (11) 99139.5046)   

A Casa do Consolador oferece trabalhos espirituais e terapêuticos. Um de seus projetos durante a pandemia é entregar enxovais para recém-nascidos e cestas básicas para as mães que não possuem condições de comprá-las. A fim de prosseguir com esta iniciativa que é conduzida com muito amor e esperança, a Casa precisa de ajuda.

Maior programa de segurança alimentar do país, a rede de restaurantes Bom Prato foi criada em dezembro de 2000 para servir refeições de alta qualidade a preços acessíveis à população de baixa renda. O usuário paga R$1 pelo almoço, preço que se mantém o mesmo desde a criação do programa. Vamos divulgar os mais de 50 endereços em São Paulo.

Pessoalmente conheço faz muitos anos o trabalho do Centro Comunitário Ludovico Pavone, em São Paulo, que tem como objetivo tirar crianças e adolescentes da rua, afastando-os dos perigos que ela oferece.
No contraturno escolar, a organização recebe as crianças do Real Parque e do Jardim Panorama com muito carinho e satisfação. As 180 crianças têm acesso a reforço pedagógico, acompanhamentos psicológico e fonoaudiólogo e aulas de música, artes e inglês, dentre outras modalidades. Elas ainda contam com café da manhã, almoço e lanche. E é assim que o Centro age para uma transformação de toda a família na educação, rotinas, hábitos e costumes fundamentais para formação de um bom cidadão. Porém, com a pandemia, essas crianças não estão recebendo a alimentação e, neste momento, é isso que o pessoal do Ludovico precisa: levar alimentos básicos para as famílias atendias, tão valorizados quanto a educação.

Simone de Beauvoir já havia nos alertado: “O ideal do amor e da verdadeira generosidade é dar tudo de si, mas sempre sentir como se isso não houvesse lhe custado nada.” Doe. Contribua. Divulgue. Venha ser um beija-flor! 

Luciana Monteiro Portugal  (Ig@lumonteiroportugal FB e LinkedIn Luciana Monteiro Portugal Gomes) é advogada por formação e voluntária por opção. Quinzenalmente divide conosco sua experiência no terceiro setor e mostra que doação compreende mas vai além do dinheiro, pode-se doar tempo e habilidades

   

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Open chat
1
Olá, quero seguir o seu blog.