Leia! com Reinaldo Stuhlberger

Leia! com Reinaldo Stuhlberger

Para os nascidos nos anos 80, o comunismo não passa de uma política quase teórica, já que nos noticiários da TV ou nos jornais impressos os jovens mal foram tocados por novidades que recebíamos quase diariamente sobre países que impunham esse sistema de governo. Impunham porque nunca chegou por eleições democráticas por mais que, em alguns momentos, eram melhores do que alguns sistemas vigentes. 

Ler atualmente um livro não didático, mas que conta a história do comunismo desde os seus primórdios, mais parece uma aventura pela qual o mundo passou em mais de 70 anos. Estamos tão distantes dos países em que o sistema opressor foi necessário para a sua manutenção que só por meio da ditadura o regime pôde ter durado tanto. Fome, repressão, carência de bens de consumo e falta de liberdade não são exclusividades daqueles regimes mas tais infortúnios ocorreram em quase todos eles.

Camaradas, uma história do comunismo mundial (Robert Service, 559 páginas, Editora Difel) nos conta essa trajetória desde o século XIX até o início dos anos 90. É uma leitura longa mas bastante interessante para os que lembram de vários acontecimentos e para os que aprenderam por curiosidade através de pesquisa própria ou conversas com pessoas mais velhas. Lembro que até os anos 80 devíamos ter algum cuidado pois não era seguro, na ditadura vigente, nos manifestarmos sobre o assunto, por mais superficial que fôssemos. Mal nos lembramos atualmente que não votávamos para presidente. 

O autor, longe de defender ou atacar o sistema, conta a história onde percebemos quão bom é viver numa democracia, quando podemos corrigir os eventuais erros a cada poucos anos. Os relatos não são somente sobre os países, falam também sobre os dirigentes tão longevos e a situação vigente que levou ao comunismo. 

Por ser uma história tão longa assim como o livro, é muito prazeroso aprender vários detalhes ou fatos que não sabíamos. O livro discorre sobre as origens do comunismo, os anos tão violentos de Stalin, os países da cortina de ferro, o eurocomunismo, a tentativa de converter mais países nas Américas e na África. a guerra fria, o comunismo na China, Iuguslávia, Cuba, Coreias ,Vietnã e Camboja; como o sistema foi entrando em colapso por si só, a pressão dos anos com o presidente Regan e com Gorbatchov. 

Para quem não tem ideia do que é viver numa ditadura, qualquer que seja a orientação, vai perceber que aventuras políticas nunca terminam bem. 

Reinaldo Stuhlberger (whatsapp 97622-6185) adora literatura e cinema. É engenheiro, faz windsurf, bicicleta e vai comentar as suas leituras conosco.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Open chat
1
Olá, quero seguir o seu blog.